Escolha uma Página
Hayz (FOTO: DIVULGAÇÃO)

– Como último ato de 2020, o trio de queercore paulistano Hayz apresenta seu novo trabalho audiovisual: o videoclipe do single A Soma de Todos os Medos, lançado em novembro pela Flecha Discos. Ambientado no bairro do Brás, em São Paulo, o clipe conta com direção de Brunella Martina, direção de fotografia e edição de Yasmin Thomaz, e cor e finalização de Felipe Manoel. Concebido durante a pandemia, o vídeo dialoga com o contexto atual, e toda a etapa de pré-produção aconteceu de forma online e remota. As filmagens foram feitas por uma microequipe, em uma única diária, respeitando as orientações da OMS para prevenção da COVID-19. “A gente decidiu que a banda iria atuar para não expor outras pessoas aos riscos”, comenta a baixista Bruna Provazi. A Soma de Todos os Medos aborda um temor recorrente entre as mulheres e pessoas dissidentes: o de andarem na rua, sozinhas. Veja o clipe em https://youtu.be/iF7OKoig4cg

– “Por que o cuidado com a casa e os filhos continua sendo um dever determinado por gênero?”. Junto a indagações sobre a dominação masculina, esse é o questionamento que a cantora e compositora mineira Mariana Cavanellas, ex-integrante do grupo Rosa Neon, busca traduzir em “Lá Fora”. A canção é parte do EP duplo Tudo Vibra (ouça aqui) – trabalho de estreia da sua carreira-solo – e ganha agora um videoclipe que tem como proposta servir de conteúdo reflexivo e anti patriarcal (assista aqui). A produção chega no período natalino e traz reflexões sobre vidas mercantilizadas. Mariana Cavanellas assina o roteiro e a direção (ao lado de Rodrigo Noronha) do registro audiovisual. Seguindo o arranjo da família que vive sob um fundamento machista e opressor, o vídeo apresenta a história de uma mulher solitária que cuida do lar e do marido e está sempre em busca do olhar do homem com quem vive – alguém impaciente e distante. A crítica se estende para as funções socialmente determinadas pelo gênero e ainda trata da sobrecarga feminina do cuidado com os familiares neste momento de pandemia.

– O videoclipe de “Punhais Longos, Cortes Profundos”, da banda curitibana Sad Theory, foi censurado pelo Youtube nesta semana. Por decisão unilateral, a plataforma relatou que o vídeo foi removido por “celebrar ou incitar a violência contra uma pessoa ou um grupo” e por conter “material que incentive o ódio contra pessoas ou grupos com base na associação a minoria”. O baixista Daniel Franco, autor da letra, comenta: “A música faz menção à ‘Noite das Facas Longas’, evento ocorrido em 1934, e que demonstrou, anos antes da Segunda Guerra Mundial e do Holocausto, os métodos assassinos do regime nazista, que culminariam nessas tragédias humanas. Não há nenhuma celebração ou apologia aos eventos ocorridos. Pensamos ser temerário o cerceamento da linguagem artística, feito de maneira tão mal fundamentada. Também não podemos deixar de alertar que atitudes como essa são o caminho para o totalitarismo, que buscamos denunciar com tanto afinco na letra da citada música”. O álbum da referida canção é Entropia Humana Final, lançado em 2017. As letras tratam sobre diversos temas relacionados a tragédias humanas, como “Inanição”, sobre o Holodomor, o genocídio ucraniano por falta de alimentação; o país estava sob domínio do regime comunista de Stalin. O vídeo censurado pode ser conferido no Facebook: https://www.facebook.com/watch/?v=2372127849688507