Escolha uma Página

 Marcelo Moreira



A cada dia que passa sem vacina e com toneladas de leite condensado apodrecendo na sala de jantar do nefasto presidente, fica mais distante a possibilidade de vibrarmos com um show de rock na pista, na frente do palco ou na arquibancada.

Os músicos bolsonaristas estão desalentados e perdidos. Ainda defendem o ser execrável que empesteia a presidência, mas os argumentos, que nunca convenceram, agora desapareceram. Restou gritar contra a imprensa e aos que torcem contra.

É difícil encontrar paralelo na história da humanidade para tanta incompetência na gestão pública de saúde – na verdade, para qualquer tipo de gestão.

Mais do que criminosa, a administração bolsonada é genocida e corrupta. O R$ 1,8 bilhão gastos com alimentação para a presidência é um acinte ao bom senso em um país onde falta oxigênio para pacientes graves de covid-19.

E tem músico asqueroso que ainda reclama de que não pode trabalhar porque “não deixar o presidente agir e que governadores e STF jogam contra a população”.

Sim, tem idiota que, por burrice, mau-caratismo ou os dois, vomita esse tipo de lixo no boteco, na reunião de família ou nas redes sociais. Mais 2,3 mil mortes por dia, superando os 220 milo na pandemia, não parecem suficientes para quem pensa dessa forma.

A matemática é bem simples: enquanto houver mortes aos milhares, esqueça os shows e o chope no boteco. A doença mostrou claramente que podemos viver sem isso, ainda que esse tipo de “arma” possa ser usada por fascistas em outras ocasiões. É um fato inapelável. Tome cerveja em casa, escutando ou vendo na TV um bom show de rock.

Mas é mais fácil para os imbecis xingar a “imprensa terrorista” do que admitir que seu “mito” não só é burro e incompetente, mas que sua gestão beira o banditismo político e a destruição de políticas públicas.

Bolsonada e seus seguidores nos governos estadual e municipal de Manaus (AM) são diretamente responsáveis pelo caos sanitário e de saúde pública. Terão de ser responsabilizados por milhares de mortes por conta da explosão do vírus e da falta de oxigênio nos hospitais.

Por que esses mesmos músicos fascistas que apoiam Bolsonada não questionam o governo federal pela falta de vacinas e pelo atraso generalizado em todo o país no início da vacinação?

Um mínimo de competência administrativa na esfera federal poderia garantir vacinas sem crises diplomáticas e burrices ideológicas e, assim, quem sabe, poderíamos voltar aos shows presenciais no final do ano. Do jeito que estamos, só em 2022, na melhor das hipóteses.

Quase dois anos sem shows em estádios, ginásios, casas de shows e botecos deverão ser colocados na conta de Bolsonada e seu ministério podre, recheado de incapazes e seres desprovidos de inteligência. 

E você ainda defeca pela boca contra o PT e os governadores que, tardiamente, restringem, de forma tímida, o funcionamento do comércio e de bares. 

Que tudo fique fechado por seis meses, se for o caso, até a epidemia ser controlada, de preferência com outro presidente. Está sem trabalho? Que pena,é a vida… 

Que pena que more no Brasil, um país de um povo vagabundo que desrespeita sistematicamente as regras de isolamento social, esticando a vida útil da epidemia e da covid-19.

Está sem trabalho? Mude de profissão, arranje outra coisa para fazer. E parabéns por ter votado em Bolsonada, em negar a pandemia, em acreditar em papai noel e por xingar a imprensa. O vírus lhe manda lembranças e avisa que, dependendo do seu comportamento e do seu voto, estará por aqui em 2022.